quarta-feira, 27 de março de 2013

Você sabe quando usar gelo ou calor?




Quem nunca chegou em casa com uma dor ali, outra aqui depois de um dia inteiro de trabalho, após a academia, ou depois de um joguinho de futebol?! E muitas vezes junto vem a dúvida: “sei que água quente e gelo aliviam as dores, mas como saber quando devo utilizar cada uma?”
Bom, nós vamos explicar os devidos efeitos de cada uma delas bem como as suas indicações, para facilitar seu uso doméstico.
A aplicação da água nas suas diversas formas favorece a melhora dos sintomas e auxilia na reabilitação de lesões, seja na forma de calor, que dilata os vasos sanguíneos, ou pelo frio, que causa sua contração, o que contribui para a remoção de impurezas e substâncias indesejáveis resultantes da lesão, liberadas no local. É um recurso terapêutico valioso com a vantagem de ter fácil acesso, baixo custo e fácil manuseio.
A utilização de calor como terapia é chamada de termoterapia. Já a crioterapia é a utilização do gelo para tratar patologias. As duas formas de aplicação da água, quente e fria, são importantes auxiliadores no tratamento de patologias ortopédicas.


        O gelo (ou meios que proporcione baixas temperaturas) deve ser a primeira atitude a ser tomada numa lesão ou dor aguda, principalmente nas primeiras 48 horas, pois diminui o metabolismo, reduzindo a necessidade de oxigênio para a célula e isso possibilita uma recuperação mais rápida e com menores danos para o músculo ou articulação. O frio contribui no controle do edema (inchaço), pois, como causa contração dos vasos sanguíneos, evita o escape de líquidos no local da lesão, além de diminuir a extensão dos danos nas células do tecido lesado (músculo ou articulação).

O USO DE BAIXAS TEMPERATURAS CONTRIBUI PARA...

-Melhora da dor.
- Diminuição de edema e hematomas.
- Redução do processo inflamatório.
- Permite a movimentação precoce.
- Melhorar a amplitude do movimento.
- Redução do metabolismo
- Estimular o relaxamento.
- Reduzir os espasmos musculares.
- Preservar a integridade das células do tecido lesado (evita morte celular).
- Limitar a evolução da lesão.

Numa lesão muscular, por exemplo, os vasos sanguíneos que passam pela região se rompem e há um extravasamento de sangue. Isto causa hematoma, edema, vermelhidão, aumento da dor e uma perda da função do músculo afetado. Este é o começo do processo inflamatório, que é a primeira reação de defesa do organismo, uma vez que o dano tecidual já ocorreu no local. Então, a aplicação de baixas temperaturas no local terá os seguintes efeitos fisiológicos:

EFEITOS FISIOLÓGICOS DO FRIO

Limitação do hematoma e edema: diminuindo a temperatura da pele e dos tecidos subjacentes, há um estreitamento dos vasos sanguíneos, o que é conhecido como vasoconstrição. Isso diminui a quantidade de sangue na área lesada, o que reduz o tamanho do edema ou escape de líquidos. Após alguns minutos, os vasos sanguíneos se dilatam, permitindo que o sangue volte a circular na área. Esta fase é seguida por outro período de vasoconstrição.
Embora o sangue flua ainda na área, o tamanho do edema é significativamente menor do que se o gelo não fosse aplicado. Esta diminuição do edema permite mais movimento no músculo ou articulação e, dessa forma, diminui a perda funcional associada à lesão. O edema, juntamente com a resposta inflamatória, causa também um aumento da pressão no tecido, o que acarreta aumento da dor. Esta dor é intensificada por determinadas substâncias químicas que são liberadas no sangue quando o tecido é danificado. Por isso, a aplicação do gelo diminui a dor.
Diminui a dor: a diminuição da dor é um dos maiores efeitos do gelo. A percepção da dor, como numa lesão muscular ou entorse de tornozelo, pode ser torturante e o alívio promovido pela crioterapia chega a ser vital para a melhora do atleta.
Outro meio de ação do gelo para diminuir a dor é reduzir a condução do impulso nervoso de alguns nervos na pele e nos tecidos circunvizinhos. Além disso, por fornecer um outro estímulo às fibras do nervo, a sensação do frio pode inibir a sensação de dor. A aplicação do gelo pode estimular a liberação de endorfinas no local da lesão, o que também contribui para a diminuição da dor.
Reduz espasmos musculares: evidências que mostram uma ligação forte entre o espasmo do músculo e a dor. Um aumento na dor conduz ao espasmo do músculo, que conduz subseqüentemente a mais dor e assim por diante. Isso causa uma resposta negativa. Portanto, reduzindo a dor, o gelo pode reduzir o risco do espasmo do músculo.
Reduz as taxas do metabolismo celular: reduzindo a taxa metabólica, o gelo reduz a necessidade de oxigênio das células. Assim, quando o fluxo sanguíneo for limitado pela vasoconstrição, o risco de morte celular devido às demandas de oxigênio (necrose celular secundária) será diminuído.

INDICAÇÕES PARA USO DA CRIOTERAPIA

- Lesões musculares e ligamentares
- Entorses articulares
- Traumas agudos (tombos, pancadas)
- Luxações
- Estiramentos
- Edemas (inchaços)
- Hematomas

A CRIOTERAPIA NÃO DEVE SER USADA NOS SEGUINTES CASOS:

- Alergia ao frio
- Síndrome de Raynaud
- Lesões cutâneas (ferimentos abertos)

PRECAUÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES AO GELO

É preciso ter cuidado quando for utilizar o gelo nos seguintes casos

Doença cardíaca como hipertensão, arritmia ou angina.
Áreas com nervos superficiais.
Antes da prática esportiva, pois como altera a sensibilidade e melhora a dor, pode "mascarar" lesões.
Antes da realização de alongamentos: pelo mesmo motivo descrito acima, o atleta corre o risco de exceder o limite de estiramento do músculo, causando lesões nas fibras musculares.
Cuidado para não dormir ou exceder o tempo de aplicação do gelo para não lesar a pele ou outras estruturas por diminuição excessiva da temperatura (necrose).


Apesar de ser mais agradável e confortável, a utilização da água quente nos tratamentos ortopédicos se limita a alguns casos onde o objetivo de reduzir a dor deve estar somado à necessidade do relaxamento muscular, na ausência de edemas ou hematomas.
Como recursos da termoterapia temos o calor superficial e o calor profundo. O calor superficial é obtido através de compressas, bolsas e imersões com água quente e infravermelho. O tratamento com calor profundo necessita de aparelhos específicos que emitem ondas que penetram pela pele e atingem camadas mais profundas que o calor superficial, como ultra-som, ondas curtas e microondas. O banho de parafina é um calor superficial utilizado nas extremidades como mãos, pés, punhos e tornozelos. Porém, quando aplicado nas mãos ou pés para tratamento das articulações dos dedos funciona como "calor profundo" devido à pequena espessura das estruturas que envolvem a articulação.

O CALOR NÃO DEVE SER USADO NOS SEGUINTES CASOS

- Lesões cutâneas (ferimentos abertos)
- Lesões ou traumas recentes
- Edemas
- Hematomas
- Hipersensibilidade ao calor
- Patologias vasculares

O USO DO CALOR CONTRIBUI PARA...

- Melhora da dor
- Aumentar a extensibilidade do músculo retraído
- Diminuir a rigidez articular
- Diminuir espasmos musculares
- Aumentar o metabolismo e fluxo sanguíneo

INDICAÇÕES

- Contraturas e tensões musculares
- Torcicolos
- Dores na coluna cervical, dorsal ou lombar
- Doenças reumáticas

PRECAUÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES AO CALOR

É preciso ter cuidado ao se aplicar calor como tratamento nos seguintes casos:

Áreas com a sensibilidade diminuída ou anestesiada: se for necessária a aplicação, testar primeiro em uma área com a sensibilidade preservada.
Insuficiência vascular: o calor aumenta a demanda metabólica sem aumentar o fluxo sanguíneo que está insuficiente e isto pode causar necrose tecidual.
Hérnias discais: temperaturas muito altas ou profundas (ondas curtas ou microondas) podem piorar a compressão da raiz nervosa nos casos de hérnias discais, pois favorecem o aumento da circulação local e edema, o que pode piorar os sintomas. Nestes casos, pode-se utilizar calor superficial, como bolsa de água quente, que irá aliviar as tensões musculares, melhorando a dor, sem alterar a condição patológica da hérnia.
Cuidado para não se distrair ou dormir quando estiver fazendo bolsa de água quente (ou de gel) porque pode causar vazamentos e queimaduras (bolhas).

Concluindo. A crioterapia deve ser utilizada sempre que houver traumas ou lesões agudas por ter ação fisiológica mais completa e eficiente. Tanto os métodos de aplicação do calor como do gelo descritos nesta matéria devem ser utilizados como parte de um tratamento e não como única forma de aliviar os sintomas. Por isso, é importante a orientação de um profissional qualificado e a consulta médica para que o diagnóstico seja estabelecido e para que o tratamento completo seja orientado.


Até a próxima! ;)

sábado, 2 de março de 2013

Alimentos Antioxidantes





Não é de hoje que se fala que os alimentos antioxidantes possuem efeitos positivos em relação à prevenção de doenças crônicas. Estudos mostram que esses alimentos são bastante benéficos em doenças cardiovasculares, em numerosos tipos de câncer e ainda em processos de envelhecimento.

Mas o que esses alimentos fazem?

Bom, eles vão combater os chamados radicais livres, que afetam o organismo de forma negativa, e são produzidos naturalmente pela respiração e produção de energia.

Você sabe o que significa o chamado “estresse oxidativo”?

Pois bem, ele ocorre quando há um desequilíbrio entre a produção de radicais livres e o mecanismo de defesa antioxidante.
Os radicais livres podem ser originados por processos endógenos e exógenos, como poluição, hábito de fumar, ingestão de bebidas alcoólicas, ou ainda, por uma nutrição inadequada.

Os alimentos antioxidantes não podem faltar na dieta. E para ajudá-los, trouxemos aqui 10 alimentos antioxidantes importantes:

Cacau - presente em grandes quantidades no chocolate amargo. Rico em polifenóis, substâncias antioxidantes benéficas a saúde do coração e para circulação.

Cenoura - fonte de betacaroteno um pigmento natural, também conhecido como pró-vitamina A. Atua no retardo do envelhecimento precoce. O betacaroteno pode ser encontrado na forma de cápsulas.

Chá verde - preparado através da infusão da planta Camellia sinensis, é fonte de catequinas que apresentam importante ação antioxidante. Evita danos celulares que promovem a iniciação do desenvolvimento de tumores.

Cúrcuma - também chamada de açafrão. Fonte de curcumina, de ação antioxidante, protege contra doenças cardiovasculares e também contra iniciação e desenvolvimento de tumores.

Frutas cítricas - como laranja, limão e tangerina, são fontes de vitamina C que atua no retardo do envelhecimento precoce.

Linhaça - fonte de ômega 3 que apresenta ação vasodilatadora e inibe a agregação plaquetária, que previne doenças cardiovasculares.

Oleaginosas - fontes de gorduras insaturadas, vitaminas e minerais. Atua na prevenção de doenças cardiovasculares, câncer e combatem o envelhecimento precoce.

Óleo de coco - rico em vitamina E, que atua na diminuição do processo de envelhecimento das células, e na proteção das doenças crônicas não transmissíveis como câncer e doenças cardiovasculares.

Suco de uva integral - fonte de resveratrol, um poderoso antioxidante presente na casca da uva. Atua "varrendo" os radicais livres do organismo, inibe a oxidação das gorduras e a agregação plaquetária, auxiliando na prevenção de doenças cardiovasculares.

Tomate - fonte de licopeno, um antioxidante da família da vitamina A. Seu consumo está relacionado à redução do risco de desenvolvimento de câncer de próstata, pulmão e estômago. O licopeno também pode ser encontrado em cápsulas.


;)


JUMP! Vamos pular corda?

Parece até coisa de criança, mas quem ja pulou corda sabe que essa atividade não é moleza não! Divertido, e encarado por alguns como um desafio, pular corda é uma forma diferente de exercício que pode trazer muitos benefícios para o seu corpo. Tendo isto em vista, nós do mente a mil recolhemos algumas informações importantes para aqueles que tem interesse em praticar esta atividade, confira:

  • Conheça os benefícios e cuidados importantes para pular corda


  • Aprenda a fazer a sua própria corda de forma adequada ao seu corpo



  •  Formas diferentes de pular




  • De preferência pratique em pisos emborrachados ou gramados. Em caso de cimento ou mármore fique atento ao calçado (tênis com bons amortecedores).
  • Alongamentos antes e depois da prática auxiliam na prevenção de lesões e dores.
  • Nunca exceda demais sua capacidade física, vá até onde for confortável para o seu corpo.

ATENÇÃO: Se você tem problemas nos joelhos e tornozelo, problemas de hipertensão ou cardiovasculares, problemas graves de coluna e/ou está muito acima do peso, esta atividade é contra-indicada!


DÚVIDAS?